Seguidores

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

FRENESI

'Apeixonado',
vez por outra me avexo
me achego assim
a te ver de perto
inquieto
te enxoto, me excedo
causo rebuliço
no teu habitat,
depois me arrependo,
imploro, suplico, choro
frenesi todo aceso, 
excitação e desejo
reviro-me do avesso
faço das tripas, coração
desmuniciado menino,
persisto na lida, ávido
seco a te lamber
com meus olhos rasos
vidrados em ti, 
fazer o quê
se quando te miro
só te quero inteiro
me (m)olho, eira e beira 
me espio por dentro
disposto, não me contento 
com migalhas,
atravesso o espelho
mergulhando fundo,
regalado a rigor
em êxtase e delírio
nos teus olhos d'água?

14 comentários:

  1. Ser inteiro... sem migalhas... é o querer simplesmente e mais nada.

    ResponderExcluir
  2. Sil Villas-Boas disse...
    João,
    Que lindo poema,
    'apeixonante' e cativante.
    Digno de se ler numa linda tarde de sábado.
    Bjão e bom fim de semana.
    Sil

    ResponderExcluir
  3. Querido poeta J.Ludugero,
    Gostei do texto...Como sempre espetacular!
    É sim, verdade que "O amor é a poesia dos sentidos."
    Forte abraço,
    Nélio Cunha Abranches.

    ResponderExcluir
  4. Mila Cruz A. Toledo14 de janeiro de 2012 07:29

    Que delícia seu poema... Amor com força transformada em poema, que dom que possuis, héim menino?! Sortudo?! Talentoso!!!! Grande poeta!
    Eu te deixo um abraço enorme, assim do tamanho do teu coração que deve ser gigantesco!
    Mila Cruz Álvares Toledo,
    Recife - PE

    ResponderExcluir
  5. Marcia da Casa da Poesia disse:
    Olá João, muito bem escrito,
    muito bom o sentido e a imagem lindinha,
    parabéns!
    Abraços,
    Marcia

    ResponderExcluir
  6. Comentário de Luiz Mário da Costa
    - Sabe aquele calafrio, feito inusitado, poesia envolvente/nos remetendo a gente/ao astral libidinoso,/o poema nos transporta/uma trnsfusão de prazeres/feito ninfeta em cio.
    Mário Bróis

    ResponderExcluir
  7. Nossa! Bela metafora de sentir, amar e de satisfação, gozo...Amei!

    ResponderExcluir
  8. Poeta tu és único! Divinal, magnífico, singelo e sensacional... E que bela composição de palavras e imagem...
    Beijos :)
    Carlota Pires Neiva
    Hiper abraço.
    Amei demais seus poemas!

    ResponderExcluir
  9. Simples, original, esplêndido!
    Eu queria ter escrito este poema.
    Amei de paixão cada linha do teu incrível poetizar!
    Parabéns pela excelência do teu blog!
    Abraços.
    Raoni Serra.

    ResponderExcluir
  10. Celso Noronha Eugênio,14 de janeiro de 2012 12:12

    Demais mesmo, muito lindo seu POEMA!
    Eu queria ter esse dom de escrever assim
    Tão TÃO BONITO.... Meus aplausos! Bravo!
    Viva a ti, ó poeta João Ludugero, gente que sabe
    engenhar a harmonia labiríntica do coração.
    Verdade. És único e mereces nossos aplausos! Todos.
    Abraço,
    Celso Noronha Eugênio,
    Escritor mineiro - BH.

    ResponderExcluir
  11. Flávio Bustamante disse:
    Na simplicidade da poesia
    o seu tamanho agigantou-se.
    Beleza de percepção.
    Abraços.
    Flávio Bustamante Rodrigues
    Estudante de Psicologia - USP.

    ResponderExcluir
  12. Nádia Bertuol Bandeira14 de janeiro de 2012 12:27

    BELÍSSIMO!!! Aplausos.
    Nádia Bertuol Bandeira,
    Colunista/Crítica de Jornal
    Brasília-DF

    ResponderExcluir
  13. Caro poeta João Ludugero,
    Boa noite!
    Que poeminha mais lindo! Amei. Escreva mais, pois estarei aqui. Já "fucei" vários, cada um melhor que o outro. Poeta de ouro, onde posso adquirir teu livro? Estou ansiosa pra te ler todo, todinho. Mega abraço.
    Maria Eulália Coimbra Passos,
    UnB - Brasília/DF.

    ResponderExcluir