Seguidores

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

BORRACHAS E APONTAMENTOS


Se com palavras em lápis
os alunos se prendem às travas 
dos olhos tristes da penumbra,
se no branco do olhar se fecham
na ciliar cortina imposta,  
se há vergonha na fuga em desenho
do que estava escrito em rascunhos, 
se se escondem na mente sóbria
dentre as entrelinhas 
das novas ideias em riste
com medo de abrir mão 
das velhas bulas e dos catálogos,
como então mudar o quadro-negro 
do que hão de buscar no futuro que ora lateja
e se aflora além da retina a olhos vistos?
Eu só não quero me esquecer do ensinamento  
de que não vim ao mundo a recreio
e eu mesmo traço meus acordados croquis
e sinto que as palavras têm a potestade 
de mover a tela de ponta à cabeça,  
podendo tomar o lugar-comum 
das borrachas cretinas de ocasião 
que mais borram que apagam as tintas.
Apesar delas, não me desaponto, 
eu as encaro, creio, invento e crio. 

10 comentários:

  1. Como educadora adorei! Sensacional! Como os mestres e os quadros negros usurparam inúmeras criatividades de nossos educandos! Parabéns!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Aprender a escrever a própria vida, eis a questão.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Diga ai menino arretado... Vim te convidar a participar das brincadeiras pelo aniversário de 2 anos de renascimento da minha Ilha. O convite está acima das postagens e basta dá um clic que serás levado a festa. Temos 2 brincadeiras e a grande festa dia 13 de fevereiro. Te espero lá. Beijos no coração ♥ ♥ ♥ saudades viu?

    ResponderExcluir
  4. Jandir Ferrari Moreno disse:
    Vivendo e aprendendo na escola da lida. E a vida o que é, diga lá meu irmão? Estamos na escola e não vamos deixar o caderno com as páginas passarem em branco. Assim é que escrevemos a nossa história de vida. Belo texto. És um grande poeta, ó menino das letras benditas! Abraços,
    Jandir Ferrari Moreno,
    Escritor.

    ResponderExcluir
  5. Abençoado poeta João Ludugero! Tu vais longe com tuas letras repletas de sentimento e poesia. És único! Parabéns! Aplausos.
    Vanda Cristina Mourão

    ResponderExcluir
  6. Fátima Luchesi Cantárida Lenzi disse:
    Menino de Deus!
    Quanta poesia linda por aqui.
    Dá gosto visitar teu blog.
    Que maravilha é poder te seguir.
    Beijos,
    Fátima Luchesi Cantárida Lenzi

    ResponderExcluir
  7. Lola Di Sampietro Morales23 de janeiro de 2012 07:18

    Lola Di Sampietro Morales disse:
    Amo muito tudo isso. Pura poesia.
    Maravilha de texto. Belíssimo!
    Abraços,
    Lola

    ResponderExcluir
  8. ZAYMON ZARONDY
    da Casa da Poesia comentou:
    "A poesia genuína pode comunicar-se antes que se seja compreendida."(Thomas Stearns Eliot)
    ZZ

    ResponderExcluir
  9. Márcia, da Casa da Poesia23 de janeiro de 2012 07:37

    Marcia
    da Casa da Poesia fez um comentário sobre sua postagem:

    "Entre as entrelinhas
    das novas ideias em riste
    com medo de abrir mão
    das velhas bulas e dos catálogos,
    como então mudar o quadro-negro
    do que hão de buscar no futuro que ora lateja
    e se aflora além da retina a olhos vistos?"

    Eu tinha um professor de faculdade que tinha uma ficha de aula, ele usava todo ano a mesma ficha, já amarelado com o tempo,e ainda era o meu prof de literatura, mas

    "Eu só não quero me esquecer do ensinamento
    de que não vim ao mundo a recreio
    e eu mesmo traço meus acordados croquis".

    Li seu poema trazendo-o para minha profissão,
    parabéns Abraços.
    Marcia

    ResponderExcluir
  10. Luiz Mário da Costa,
    Casa da Poesia disse:
    - Ludugero quando eu crescer quero ser um poeta como você, interessante eu tô aqui repassando uma expressão que o poeta Rodrigo Noval, fala pra mim. Sim irmão, porque dos teus poemas farei uma série universal, cósmica, isto mesmo tendo o céu como toldo, teus poema serão nuvens, e mais nuvens e mais nuvens, em formas de versos, ora se precipitando e desaguando sobre a face da terra, já pensou!!! águas de chuva de versos de Ludugero, lavando a terra, lavanda as almas sedentas de versos, lavando a consciência de quem não tem: "Eu só não quero esquecer do ensinamento/Eu mesmo traço meus acordado croquis" versos que te projetam muito além da inspiração. Abraços poéticos. Mário Bróis.

    ResponderExcluir