Seguidores

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

A DÁDIVA

Depois do suor 
E do calor das mãos,
O Pão esperou 
Na voz fome e saliva 
Ninguém comeu senão 
Da própria suficiência: 
Ao menos o menino tem gengiva, 
Saboreia a inocência em abundância.
De tanto sugar, mama mais que leite
Ao retirar sangue do seio da mãe.
Enquanto a terra nua se abre ao céu
Só pra receber a semente que gera,
Germina a planta, que cresce, aflora 
E, cheia de dádiva, brota o bendito fruto
Que não só de manjar sustenta a lida,
Mas na peleja do batente 
Que à vida dá substância. 

4 comentários:

  1. Muito Bom!!! Mais um poema que mostra seu amor a vida!
    J.Grasso BSB

    ResponderExcluir
  2. Nos pequenos a germinação dos grandes! Belo!
    Abraço da Célia.

    ResponderExcluir
  3. grande, Ludugero!
    é o expressar exato..
    beijo.

    ResponderExcluir