Seguidores

terça-feira, 28 de junho de 2011

ESMOLA PARA SANTOS

Apesar da modernidade e da tentativa de globalização,
Na minha Várzea ainda tem dessas coisas.
Sim, ainda sobrevivem ritos e costumes, ao vivo e em cores,
Mormente nos dias que antecedem as festas dos santos.
São novenas para Nossa Senhora Desatadora de nós;
São simpatias e promessas para Santo Antônio;
São fogueiras e animadas quadrilhas para São João, 
Folguedos e procissão para São Pedro apóstolo, 
Este que é santo padroeiro mais festejado do lugar, 
Sem contar as quermesses para outros tantos santos.
 Cansei de encontrar pelas ruas e becos da Várzea e adjacências 
A incansável Dona Rola, ou Maria Batista da Conceição, 
Ela que era fervorosa devota de Santa Luzia, 
Carregava a imagem e/ou quadro de moldura estampando
O retrato da santa que trazia os olhos num prato 
E na outra mão a esperança erguida numa palma verde.
Dona Rola rolava pelas quatro bocas, batendo de casa em casa,
A suplicar esmola para a festa da santa homenageada da vez. 
Lembro-me de Dona Rola 
Ou simplesmente Rola, como insistia em ser chamada.
Era assim que povo a conhecia,
Era assim que o povo a admirava: ROLA. 
Mas não é a rola que estais pensando. 
Não é aquela pomba, a fogo-apagô. 
Apesar de pequena, achava-se bonita e ousada. Era isso ....
O que mantinha dona Rola de pé era a vida que ela levava.
Arrebitava o nariz e partia para a labuta, sem lamentação,
Com garra, determinação e o sagrado prazer
De fazer bem feito seu ofício.
Ela era assim. Filha contente da terra agreste. 
Dona Rola saia do Itapacurá para pedir esmolas,
A léguas e léguas incansáveis, destemida, ela mais parecia 
Que botava sebo nas canelas, e pernas para que as queria.
Para receber os donativos para a festa de Santa Luzia. 
Era assim que se sentia feliz angariando oferendas, 
Frutas, grãos e até animais
Que seriam vendidos para embelezar a festança.
Dona Rola sentia-se a mais rica das criaturas,
Nunca chorou ou passou fome pelo caminho.
Não sabia o que era tristeza, esquecia-se das dores
E nessa lida aprendera que, apesar dos pesares,
A vida é bela, ainda mais quando botava flor no cabelo
E usava aquele vestido novo de chita pra ver Deus,
Para louvar a Deus mais de perto. E se sentia grata,
Porque dava pra ver a felicidade nos seus olhos de festa,
Ela no meio das crianças a soltar rojões e fogos de artifício
Que se alastravam pelo chão da Várzea 
Fazendo a noite virar dia
A alumiar os céus
Numa chuva de prata.

14 comentários:

  1. Também já participei num grupo para angariação de esmolas para festas - e lembro-me, perfeitamente, o quão animado era!

    ResponderExcluir
  2. que gostoso!
    beijos e um lindo dia..

    ResponderExcluir
  3. É por isso que virei teu fã - por causa da tua poesia fascinante, cada dia mais cativante.
    Estou mesmo viciado em teu blog. Gostei deste texto da esmola para os santos. És um grande roteirista. Dá para ver e sentir tuas palavras a caminhar, a tomar rumos e roteiros, a passar como um filme na cabeça da gente! Grande poeta!
    Eulálio Chaves de Fuentes Jr.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom texto! Uma delícia de ler. Nota dez par você! Hiper abraço,
    Lídia

    ResponderExcluir
  5. Caro amigo

    Lembranças que trazem saudades,
    em tempos onde
    a fé era simples,
    sem os programas midiáticos
    que vemos hoje.
    Fé simples
    que nos aproximava
    de Deus
    de um modo simples...

    Vida plena em teus dias.

    ResponderExcluir
  6. Gosto especialmente dessa tal Nossa Senhora Desatadora de Nós! ;)

    ResponderExcluir
  7. Tem selinho pra vc no meu Blog (:

    Beijoos!!

    http://pathyoliver.blogspot.com/2011/06/500-seguidores-yupiiii.html

    ResponderExcluir
  8. Ludugero, é interessante perceber como existem elementos de longaduração que ainda persistem na mentalidade, e até nas práticas de uma sociedade que, quando não é super tradicional em certos momentos, é extremamente moderna, constumista, capitalista etc.

    De fato nosso mundo é feito de contrastes...

    Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Angariando oferendas, ela se sentia feliz. Quando é que vão descobrir que fazer os outros felizes nos deixa feliz? Um texto brilhante, amei esse texto. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  10. Bem... tenho minhas reservas em "esmolas e esmolar"... a fé, a crença, a felicidade deve ser buscada e partilhada de outra forma. Mas, seu texto me fez refletir naqueles que "esse ato" é o mais importante em suas vidas. Respeito. Não compactuo. [ ] Célia.
    http://celiarangel.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Vou começar a anotar os temas que abordas:)

    ResponderExcluir
  12. Poeta João Ludgerio,
    Boa tarde!
    Eu já vi alguém escrever bonito, mas não igual a ti. E transitas por todos os temas e o sabes fazê-lo. Tu tens as manhas. És um bom escritor, sem contar que além de escrever és uma pessoa bonita. Andei "fuçando" seu blog e pude ver que realmente és um cara de bem com a vida. Feliz de quem te ama, pois ficar contigo deve ser um grande baratotal! Desculpe-nos pela ousadia!
    Felicidades, hoje e sempre.
    Somos teus admiradores, fãs de carteirinha, passamos aqui todos os dias. Sabia?
    Não me envergonho de te achar bonito. Mesmo sendo homem, e sou casado, mas eu e minha esposa o admiramos e ficaríamos contigo numa boa, porque não? Porque tu és mesmo um grande ser humano. Lindo de viver.
    Forte abraço,
    Do Jaime Nogueira Cortez e da Adriana Louvato Cortez.
    Rio de Janeiro - RJ.

    ResponderExcluir
  13. Que cantada, hein? Esses aí acima estão doidinhos por uma caridade... Se cuida poeta, estais arrancando suspiros!!!
    Márcia

    ResponderExcluir
  14. Meravigliosi sia l' immagine, sia i versi!
    Alex

    ResponderExcluir