Seguidores

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

MADÁ

De salto alto, 
ela requebra, balança,
cai, mas não se prostra na lida   
ao atravessar viadutos, altos e baixos.
De quebra, se debruça, se enxerga 
pelo retrovisor dos automóveis
de luxo, desnuda ela entrega a carne
faz a barganha por outras bermas, 
com uma lágrima presa 
na garganta, profunda, 
apressa o passo, abre as pernas
estende a alma que ficou longe dali,
como quem sonha, pensa em ter vida própria, 
vez que a sua há tempos ficou guardada 
noutra realidade menos cuspida
que neste poema não se concluirá,
não será soneto, mal soará,
sem chave de ouro:
posto que é sorvedouro,
uma esponja rústica, espessa,
apenas um mata-borrão de angústia
que não apaga o suor ardente 
no semblante de Madalena,
lágrima vertente a escorrer 
quase oculta num canto da boca
dessa mulher de vida dura,  
consciente que mão nos lábios e tal
não é apenas batom, mas atura os ais,
reborda as vestes, cinge as urdiduras
das impostas camisas de força, 
antes de recompor a moldura de Vênus
que a expõe na tela da vida real,
antes da batida final 
do martelo do arremate. 
Dou-lhe uma, dou-lhe duas... 
Quem dá mais? 

14 comentários:

  1. Boa tarde...nossa! Belo e exposto aqui em versos a labuta de uma mulher de rua...E que a lagrima derramada por ela possa lhe salvar a alma e a deixar mais calma para teus futuros arrependimentos...Triste, mas real! Abraços

    ResponderExcluir
  2. E, ainda dizem que a mulher... é frágil... vagabunda... de vida fácil... interesseira?!
    Será? Descrito está, Ludugero, muito pertinente e transparente, por você, ao que elas se submetem! Prazer? Duvido!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Euclides Lucas Damasceno (LUKÃO)2 de novembro de 2011 12:42

    Seu poema é um fiel retrato da dura e crua vida da mulher que, nada fácil, vive na rua a angariar dividendos para poder viver a vida... Belo e forte poema. Tu realmente sabes fazer um roteiro, és único! Escancarado em poetizar, e o fazes da melhor maneira. PARABÉNS!
    Euclides Lucas Damasceno,
    Dramaturgo.

    ResponderExcluir
  4. Luciah López fez um comentário sobre sua postagem no blog "MADÁ - Por João Maria Ludugero" em Casa da Poesia:
    -----------
    A triste realidade de muitas mulheres neste nosso imenso Brasil. Tanto se fala mas, tudo continua igual ano a ano centenas de mulheres são levadas a esta 'vida dura' por não ter opção de trabalho. Muitas ainda seguem para fora do país em busca de melhores condições e acabam como escravas - são tristes Madas, Marias, Terezas e tantas mais - todas anonimas entre nós. Parabéns pelo poema maravilhoso. Abç,
    LL

    ResponderExcluir
  5. Forte, intenso a demonstrar a nua e crua realidade da vida, da mulher de "vida fácil". Realmente um belo poema.
    Abraços,
    Rui Belo Antunes.

    ResponderExcluir
  6. Destaco:
    "consciente que mão nos lábios e tal
    não é apenas batom, mas atura os ais,
    reborda as vestes, cinge as urdiduras
    das impostas camisas de força,
    antes de recompor a moldura de Vênus
    que a expõe na tela da vida real,
    antes da batida final
    do martelo do arremate.
    Dou-lhe uma, dou-lhe duas...
    Quem dá mais? "

    Muito bom seu poema.
    Ney Cunha Cintra.

    ResponderExcluir
  7. E com sabes bem poetizar, até nos polêmicos e cruéis meios de ganhar a vida!
    Hiper abraço,
    Núbia Di Carli Novais,
    Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  8. Os bons poetas existem e estão por aí, eis aqui um de destaque, o grande João Ludugero. Sensacional! Belo poetizar! Abração,
    Bruno Vilar Mota Veiga.

    ResponderExcluir
  9. Sua poesia vicia. Seu blog é maravilhoso!
    Grande poeta, grande poesia!
    Sou teu fã de carteiriha.
    Até logo!
    Vicente Mota,
    São Paulo-SP.

    ResponderExcluir
  10. Anderson Balderrama dos Reis,
    da Casa da Poesia, disse:
    É uma realidade dura e nos revolta saber que muitas mulheres são levadas a essa vida por ambição de alguns homens que vêem nelas apenas uma forma de ganhar dinheiro e as escraviza por toda a juventude.

    ResponderExcluir
  11. Luciah López,
    da Casa da Poesia, disse:

    A triste realidade de muitas mulheres neste nosso imenso Brasil. Tanto se fala mas, tudo continua igual ano a ano centenas de mulheres saõ levadas a esta 'vida dura' por não ter opção de trabalho. Muitas ainda seguem para fora do país em busca de…

    ResponderExcluir
  12. Amartvida fez um comentário sobre sua postagem no blog "MADÁ - Por João Maria Ludugero" em Casa da Poesia
    ------------
    infelizmente essa realidade existe no mundo inteiro, muito triste isso tudo...
    abraço de paz
    Nina
    --------

    ResponderExcluir
  13. Luciah López fez um comentário sobre sua postagem no blog "MADÁ - Por João Maria Ludugero" em Casa da Poesia

    ------------
    A triste realidade de muitas mulheres neste nosso imenso Brasil. Tanto se fala mas, tudo continua igual ano a ano centenas de mulheres saõ levadas a esta 'vida dura' por não ter opção de trabalho. Muitas ainda seguem para fora do país em busca de melhores condições e acabam como escravas - são tristes Madas, Marias, Terezas e tantas mais - todas anonimas entre nós. Parabéns pelo oemas maravilhoso. Abç,

    LL
    ------------

    ResponderExcluir