Seguidores

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

VENDEDOR DE PIRULITOS


Perambulei pela rua grande
da minha cidadezinha,
 rua abaixo, rua acima  
sem ser vazio no interior, 
não fui vagabundo,
passava sebo nas canelas, sim,
mas não para ter pernas vadias.
Ia pelos becos, praças e escolas
de tabuleiro cheio de pirulitos.
Eu fui vendedor deles
quando a vida me vestiu de calça curta,
tão inocente, imaculado tal qual caramelo,
tão puro moleque, eu cria em atravessar o tempo,  
a salivar desejos numa vontade doida que só vendo
de cair de boca, de língua afiada por uma lambida de leve,
lambuzada frenética, acordada, afoita tão sonhada
de permeio, na tábua de puxa-puxa de dona Zidora,
que me carregava a descolar alguns trocados
pelas quatro bocas da Várzea!
Mas, ao cair da tarde, de quebra,
nenhum pirulito sobrava no tabuleiro
Vendia tudo... restava só a tábua em frestas
Preenchida só de furos.
E eu, na seca, com água na boca
a chupar o dedo quase feliz,
mesmo sem um fio de confeito,  
mesmo não tendo sobrado
nenhum rasgo de doce pra mim!
Assim, logo-logo voltava pra casa
tábua vazia, missão cumprida, no pulso,
contente da lida, refeito, uma mão na frente
e outra na tábua esburacada...
E ao fim, ganhava uns trocados
que me ajudavam a comprar guloseimas
na padaria de 'seu' Nenê Tomaz de Lima.
Certo dia vendi quase nada,
mas não voltei de mão abanando,
esqueci-me de pensar na consequência, e zás! 
Eu lá era menino de levar desaforo pra casa! 
Num vapt-vupt, resolvi dar cabo ao meu intento.
Travesso, usei da gula tantas vezes reprimida, 
com gosto devorei toda a tábua,  
sem me preocupar com papéis, ao sabor
de balas ao dente, puxa-puxei, com cautela
para não quebrar o queixo.
Até grudei no céu ao deleite,
até a boca arrepugnar,
até enjoar de tanto doce.
Mas quer saber de uma coisa:
nunca me arrependi
do desenrolar deste acontecimento!
Fui vendedor de pirulitos, sim,
e num belo dia me fartei deles!

19 comentários:

  1. Que a Vida te traga sempre tabuleiros de pirulitos e possas com teus inúmeros amigos e admiradores desfruta-los....És uma pessoa pura, iluminada, até teus pecadilhos relatas com graça...Abraço amigo, amigo!

    ResponderExcluir
  2. Uma traquinagem dessas os anjos conspiraram a seu favor... Depois, crescemos e deixamos esquecidas essas memórias infantis que alicerçaram nossas memórias afetivas e emocionais de hoje - adultos! Adorei sua viagem entre pirulitos e tabuleiros! Abraço da Célia.

    ResponderExcluir
  3. Caro amigo

    Ao ler as suas palavras,
    as lembranças
    me fizeram voltar
    no tempo...


    Que os sonhos te habitem
    o coração, sempre...

    ResponderExcluir
  4. Nossaa adorei seu post bom demais!

    Espero que tenha um ótimo fim de semana!

    Apareça no Alma!!

    ResponderExcluir
  5. Um dia tens que me emprestar os teus olhos. Um dia apenas. Quero ver o mundo contigo, um dia:)

    ResponderExcluir
  6. Irene Duarte, da Casa da Poesia, disse:

    É PRA SENTIR MUITO ORGULHO DE SI MESMO!
    Além de ser uma história muito bonita,
    um texto bem feito e emocionante!
    PARABÉNS!!!...
    Irene Duarte

    ResponderExcluir
  7. Luna Sanchez (Jardim dos Girassóis) disse:
    Ah, estou me sentindo
    com 8 anos de idade,
    que delícia!
    =)
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. hesseherre, do blog Casadaçogra, disse...

    "MEIRE QUERIDA, O SITE DESTE ILUMINADO - QUE NUNCA SERIA UM POLÍTICO LÁ EM BRSÍLIA, POSTO QUE É VERDADEIRO - É http://ludugero.blogspot.com/
    UM GRANDE ABRAÇO.

    LUDUGERO, NÃO ESQUEÇO AS PALAVRAS COM QUE VISITASTES MEU HUMILDE BLOGUE...V. NÃO ESCREVE POESIA, V. FAZ HEMORRAGIAS POÉTICAS....BENDITO HEMOFÍLICO DO CORAÇÃO. ABRAÇO."

    ResponderExcluir
  9. Ó poeta Ludugero, ser de luz própria, estelar, guerreiro de luz das letras bem ditas, venho aqui te dizer da tua importância nos meus dias: depois que "viciei" no teu blog, por causa da tua poesia, hoje sinto que tem criaturas muito abençoadas, és um poeta-bálsamo de acalentar a alma da gente... Verdade, tu tens essa magia ao escrever, escavas direto no coração e infiltra potavelmente veias e capilares, direto no cerne do coração...É isso. TE ADMIRO e serei tua fã, sempre. Bateu a emoção, me empolguei,mas precisava te dizer isso.
    Sou estudante de Medicina em São Paulo e, vez em quando invento de escrever alguma coisa. Mas não tenho esse dom que em ti é nato.
    Grande abraço,
    Camila Cintra Albuquerque Mendes.
    Já estou te seguindo. Como não segui-lo, como não amar sua poesia?

    ResponderExcluir
  10. Eunice Nogueira Pierre Lins.22 de outubro de 2011 19:18

    Tua poesia é doce, são letras que adocicam a alma da gente. Eu? com tua poesia me vi lá em Araxá, pelas praças, a me lambuzar de pirulitos... Lembrei-me de seu Zuza pipoqueiro que também vendia pirulitos e gritava: "Quem vai querer pirulito, olha o pirulito, enroladinho num papel e enfiado num palito?".... Chorei. De emoção, pois tua poesia me fez viajar de volta a um tempo bom da minha vida. Beijos.
    Eunice Nogueira Pierre Lins.
    Estudante de Jornalismo.

    ResponderExcluir
  11. Tua poesia veio que veio a me ninar!
    Amei de paixão. Quem te deu esse dom de poetizar tão divinamente? Deve ter sido DEUS. Com certeza!
    Augusto Henrick Damasceno Leivas,
    Seminarista - Legião Agostiniana.

    ResponderExcluir
  12. Comentário de Luciah López,
    da Casa da Poesia:

    Feliz é aquele que pode saborear estas guloseimas. Feliz é aquele que sabe reconhecer o valor de cada pessoa que existiu em sua vida acrescentado 'sabores' que mais tarde seriam transformando em poesias. Feliz seja você meu amigo poeta, hoje e sempre!
    LL

    ResponderExcluir
  13. ZAYMON ZARONDY, da Casa da Poesia disse:

    Um texto delicioso
    de dar água na boca,
    rsrsrs.
    ZAYMON ZARONDY,

    ResponderExcluir
  14. Eu também escrevo poesia. Fiquei deveras fascinado pela sua poesia e o modo como você faz poesia, simples, direto, encantador. Virei seu fã. Vou ter que ler seu blog sempre. ADOREI, mesmo! MESSIAS ANDREATO NEVES - LAGO SUL - BRASÍLIA.

    ResponderExcluir
  15. www.ventura.blogspot.com23 de outubro de 2011 11:28

    Poeta João Ludugero,

    Fazia um tempão que não lia algo assim tão cheio de sentimento conjugado com a razão. Seu estado de espírito é algo maravilhoso, refletido na sua poesia esplêndida.
    Estou deveras fascinada com seus poemas. Fantásticos mesmo, repletos de emoção, de palavras simples que levam a alma da gente a pensar junto, a discorrer nas entrelinhas de sua poesia maravilhosa. Acredite, você pode ir muito longe com sua poesia.
    Quero mais e mais.
    Abraços,
    Ligia Bernardes Ventura - UnB - Brasília.

    ResponderExcluir
  16. Seja o que for, mas que seja com carater, humildade como voce sempre faz com teus textos, poemas, poesias...sempre gostosos de ler e que nos faz viajar no tempo, recordar, reviver...parabens, adorei! abraços

    ResponderExcluir
  17. Comentário de Ingrid Caldas,
    da Casa da Poesia:
    uau! que delícia em versos..
    saboreei cada um..
    beijo Ludugero..

    ResponderExcluir
  18. Renato Baptista disse:

    Que coisa... são momentos, gostos e cheiros que nunca se perdem no tempo...belo escrito amigo.
    Renato Baptista
    Abraços* Casa da Poesia.

    ResponderExcluir
  19. Oi Ludugero, seu blog é vívido, cheio do seu pulsar, da sua inquietude... Lendo este seu poema relembrei o vendedor de pirulito da minha infância...

    Mas permita-me opinar sobre algo técnico, que é uma questão de gosto (e, por isso, imagino que você vá discordar): o texto em letras brancas sobre fundo negro cansa a vista rapidinho... Se algum dia voce for mudar o visual, pense neste quesito "conforto da visão" (não sei o termo técnico para isto, na área de diagramação).

    Abraços.

    ResponderExcluir