Seguidores

domingo, 25 de março de 2012

APASCENTARES

Estou em minhas mãos,
Linha por lida, 
A cada traço e anseios 
A minha sina vai-me revelando: 
Com versos devo andar por uma trilha; 
A poesia deve ser a minha meta e meio.
Estou com os pés no destino, a partir
Do que escrevo, ao espalhar apoteoses, 
Manifesto-me em verbo ávido aos ferozes 
Olhos desse menino metido a poeta, 
A cometer loucuras e outros devaneios.
Aliado às palavras latentes
Que tanto me apascentam
E não só me levam a seguir animado
Com o entretido brilho dos pulsares,
Mas me ajudam a tanger meu rebanho
A caminho das estrelas. 

3 comentários:

  1. A caminho das estrelas. Que os rebanhos, os campos e os caminhos dos poetas não são deste mundo.

    Um bom início de semana, Ludugero.

    ResponderExcluir
  2. Apascenta tuas ovelhas,
    A Paz senta nos teus olhares
    Mas fica atento:
    As estrelas já não são mais
    Pois são ex-trelas...
    Grande abraço Ludugero

    ResponderExcluir
  3. je vous envoie plein d'étoiles... gros bisous

    ResponderExcluir