Seguidores

domingo, 11 de setembro de 2011

NUNCA FUI SANTO!

Movediça, buliçosa e
Até mesmo quando 
Mal-ajambrada,
Minha língua corre solta
A chafurdar os céus abertos
A se entranhar pela poesia solta
Pelas quatro bocas ansiosas
A ganhar o mundo,
Longe de mim querer ser cabotino.
Lúcido e desatinado, prossigo,
Ensimesmado nessa impermanência
Que me atém por todos os lados 
Acaranguejado, de banda desando.
A penetrar tua alma  ao meio, de volta,
A queimar pelo avesso os tédios, de súbito,
Discorro em teus lábios de ardente cometa. 
Perdido me acho, sem pudor  
A desbravar umbigos e rasgar versos
Achados nos meandros animados
Dos verbos blindados, cautelosos, 
reinventados à toda prova
Na sisudez das palavras-balas 
Que o coração lapida em frente e verso,
Quando insiste em me atirar aos ombros
O peso da cruz do ego 
Que carrego toda vez
Que me pego a caminhar sem prumo
Pelo vão minado da tua boca pagã,
Justo eu que nunca fui santo, me entrego afoito, 
Corro o risco de virar estátua, fico cego e surdo,
Pareço ter olhos de vidro, divago pecador 
Ao mirar tua retina metamórfica,
Ao passo que acabo por me achar atado 
Numa potente camisa-de-força, 
Seduzido que sou pela promessa 
Que emana desse teu olhar de vênus,
Ou seria de medusa? 

14 comentários:

  1. Sabe identificação 100%? Pois é.
    Um bj querido amigo

    ResponderExcluir
  2. EU TB NUNCA FUI SANTO. SEMPRE FUI UM ANIMAL SENTIMENTAL, LICANTROPO E INTELECTUAL. BELO POEMA.

    DEPOIS DE LER O COMENTÁRIO, PASSA LÁ:
    http://thebigdogtales.blogspot.com/2011/09/o-monge-e-o-licantropo-3-parte.html

    ResponderExcluir
  3. Poeta João Ludugero,
    Gosto dessa coisa assim pagã, profana, avante!
    Sua poesia é da melhor que há! Realmente tens uma verve poética que tira poesia até de pedra. Tens mesmo potencializado dom de escrever e poetizar. Parabéns!
    Fiquei viciado na sua poesia de todos os dias. Muito bom vir aqui. Anima, remexe no juízo da gente. Isso é bom demais!
    Abraço fraterno,
    Miguel Luís Fontoura Barbiéri,
    Escritor.

    ResponderExcluir
  4. Puta que pariu! Que poesia boa a sua! Viciei em vir aqui te ler e quem ganha com isso, somos nós!
    És um poetaço! Ótima semana!
    Mateus Antonelli Castro

    ResponderExcluir
  5. Fantástico!
    Adorei, adorei. Adorei!
    Beijos,
    Ana Rosa Muilaerte Rios.

    ResponderExcluir
  6. Não tenho a tua certeza...Não em relação ao futuro:)

    ResponderExcluir
  7. Comentário de Beatriz Prestes
    39 minutos atrás:
    Maravilhosos todos os ângulos da tua poesia!!
    Intenso, e com as reflexões pertinentes!
    Maravilhosamente escrito meu amigo
    Bea.

    ResponderExcluir
  8. Comentário de Luciah López
    3 horas atrás:
    Poema denso e rico
    em metaforas.
    Lindo! abçs,
    LL.

    ResponderExcluir
  9. Eu admiro muito seu modo de poetizar. Gosto dessa coisa livre e solta, aconchegante, intensa. És um grande poeta!
    Santo ou pagão, puro ou profano, és único!
    Hiper abraço.
    Sâmia Cristina Abrantes,
    Vitória - ES.
    Obs.: Sou tua seguidora e fã!
    Até logo mais!
    Voltarei. Adoro seu blog!

    ResponderExcluir
  10. Sensacional!
    Fantástico - Tudo, tudo de bom, nesmo!
    Tua poesia é o que há de bom e da melhor!
    Bom dia!
    Abraços fraternos,
    Rubens Nóbrega Montecristo,
    Escritor.

    ResponderExcluir
  11. Amartvida fez um comentário sobre sua postagem no blog "NUNCA FUI SANTO!" em Casa da Poesia:
    gostei de ler poeta, sua poesia é envolvente
    abraço grande de paz!
    Nina

    ResponderExcluir
  12. Meu Deus, eu acho que vi o amor de todas as formas...deitado, em pé, virado do avesso, de pernas para o ar mas... sempre poeticamente bem cantado! Adooooorei! Parabens!
    Beijo
    Graça

    ResponderExcluir