Seguidores

domingo, 31 de julho de 2011

O BALANÇO

No quintal da minha casa
tem uma velha mangueira frondosa e verde.
Nela há um balanço feito de um pneu usado
há muito tempo dependurado
num braço da árvore
por espessa corrente.
Sempre que sobra tempo,
Eu vou lá a sentar no balanço,
subo, desço e faço um balanço da vida.
Recordo-me de instantes ali vividos,
das pessoas que cresceram comigo
E que tiveram que seguir outros rumos
E de tantas que já não mais voltam,
uma vez que se foram balançar noutro plano.
Eu continuo meu balançar
Pra cima e pra baixo,
Alegre brincando, encantado,
Sem vontade de parar tão cedo.
E assim vou levando a sina,
não com a barriga, mas com a vontade
de fazer bem feito a lida,
conversando cá com versos
que me ajudam a empurrar
meus sonhos desde criança.
E ora adulto não me sinto inválido,
não me canso desse eterno balanço.
E vou vendo esse filme passar,
a sorrir, chorar ou vice-versando,
sem me preocupar com a menção da crítica,
Vou decorando as próximas cenas.
E que venha o sol irradiar seus flashes
sem me furtar as cores
que vão e que vêm a cada capítulo
minha vida toda enfeitar
nesse balanço tão vívido,
de levantar a alma leve e solta,
sem escapulir de mim,
dando-me corpo à liberdade!

21 comentários:

  1. Eu tenho empurrado com a barriga. Toco o barco, com pouca vontade de remar...

    Mas gostei da mensagem do texto. Muito bem escrito, como sempre!

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Poeta Ludugero, fiquei fascinado com seu Blog. Muita coisa interessante que escreves. E nelas colocas tua alma, corpo, vísceras! És muito intenso, imenso, nunca morno... Gostei mesmo! Tua poesia é mesmo aconchegante, um bálsamo para quem lê e viajar nas tuas letras de beleza. Gostei muito de ti. Tô te seguindo, cara! Hiper abraço,
    deste teu fã que te curte de montão.
    Vander Luiz C. Belutti,
    Brasília-DF.

    ResponderExcluir
  3. Tua POESIA me dá TESÃO de viver!
    Queria ter a sorte de te possuir, nem que fosse em sonho, mas fico a te curtir mediante teus textos de puro encanto e magia. Sou tua fã incondicional. Sempre. sempre. sempre!
    BEIJOS em sua boca, todinha, de sentir a alma.
    Helena Barros Feitosa

    ResponderExcluir
  4. Nossa que intensa, a outra acima, gamou no poeta! Eu também quero, viu?
    Belíssimo poema do balanço.
    Adorei! como tudo que escreves.
    És único, menino lindo da mamãe!
    TE AMO!
    Marianne Lima Souto

    ResponderExcluir
  5. Belo texto...lindo poema...
    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Balançar a vida no baloiço da mangueira é um luxo ao alcance de poucos, um abraço de Portugal

    ResponderExcluir
  7. O bom é que sempre podemos colocar os pés no chão para dar um novo impulso.

    Lindos versos!

    ResponderExcluir
  8. E como e bom termos um balanço e um quintal, pois a maioria mora num apto. e jamais sabera o que é o balanço da vida...abraços

    ResponderExcluir
  9. Um balanço especial de muito sentimento, belo poema. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  10. Querido e estimado Poeta João Ludugero, a cada texto seu balanças ainda mais meu coração. Estou viciada em te ler. E o melhor, cada vez que venho aqui saio rejunescida, de corpo e alma leves. É assim que me deixas: reverdecida! Tua poesia para mim tem sido assim algo estonteante, de um impacto formidável.Estou feliz por ter te achado nesse mundão da blogosfera. Nunca mais te perco de vista. EU JÁ TE AMO MUITO, pelo pouco que te conheço. Sou tua admiradora e fã, demais!
    Carinhosamente,
    Núbia Véscio Mota Palhares,
    Estudante de Engenharia Química.

    ResponderExcluir
  11. EULER MÜLLER disse...

    Vai, ó poetaço, me ensina a fazer poesia?!
    Eu virei teu fã e nem gostava dessa coisa de poesia, de poema... A partir de te ler, de vir aqui agora estou viciado. E gostando demais da conta dos teus textos que "embalançam" a vida da gente.
    Eu estou passando uma temporada em Brasília, em curso, mas só tempo de acabar minha formação lá no Itamaraty. Devo ir não sei ainda para onde, mas não quero te perder mais de vista, digo te seguirei de onde estiver, pois teus poemas me fizeram quase íntimo teu, e nem me conheces (risos).
    Mas gosto da tua escrita, gosto das tuas "manhas" com as palavras... Confesso sou teu fã de carteirinha. Não fico mais sem te ler. Abraço,
    Euler Boaventura Bittar Müller.
    31 de julho de 2011 19:08

    ResponderExcluir
  12. Ludugero! Lendo seu poema voltei à uma parreira no meu quintal da infância, onde meu pai fez um balanço para mim. Adorava esse espaço. Ali eu voava física e mentalmente... Cantava!! Como cantava! Hoje, para sanar um pouco a saudade, fico poetando minhas doces lembranças. Assim, a coragem é sustentada para viver! Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  13. Ao poeta mais amado desejo uma ótima semana, com todo alto astral. Muita paz, amor e luz!
    Você merece tudo de bom e do melhor, pois tem o coração mais belo que já conheci. Belo poema. Adorei! Beijos mil. TE AMO PRA CARAMBA! viu?
    Edilaine Monteiro Pertence.

    ResponderExcluir
  14. Belíssimo texto.
    Me senti no balanço a curtir por um instante um viajar longe, longe a um lugar que morei e tinha um balanço assim... Que maravilha é ter esse dom de, mediante a poesia, repassar tanta alegria, aconchego e esse carinho que emanas das tuas palavras bem ditas. Grande poeta!
    Meu abraço,
    Helô Suzuki Alves,
    Rio de Janeiro-RJ.

    ResponderExcluir
  15. Pode um homem dizer que se apaixonou por outro homem? Eu tô dizendo com todas as letras: viciei na poesia desse tal Ludugero! Ele é o cara da hora. Muito bom seu blog. DEZZZ!!!!
    Gosto muito de te ler, acabo envolvido de tal forma na sua poesia que esqueço que és homem... Mas sou desencanado com isso, quando gosto, gosto mesmo. E sabe de uma coisa: És o cara para qualquer gostar, pois cativas a alma da gente de um jeito que não dá para explicar. Sou teu fã e te sigo com alegria. Um dia ainda vou te conhecer nem que seja para pegar teu autógrafo. Risos! Tua poesia tem roteiro e cor!
    Carlos Emir Bastos Meira,
    Cineasta/fotógrafo.

    ResponderExcluir
  16. Eita, o poeta aqui tá que tá balançando corações! Também com textos de categoria assim, ele terá o mundo aos seus pés, nas mãos, no coração... Belíssimo poema do balanço. Me balancei, de verdade! Abraços,
    Josias

    ResponderExcluir
  17. Teu poema conjuga texto e fotografia, e até em preto e branco a gente pode ver suas cores. És um verdadeiro poeta! Que bom ter achado seu blog, assim não o perco mais de vista. Te ler tem sido algo divino e maravilhoso!
    Te mando um monte de beijos. Tenhas uma ótima e iluminada semana!
    Simone França Zacharias Lau,
    Sociologia - UnB.

    ResponderExcluir
  18. Eu só tenho a agradecer a tod@s pelas demonstrações de carinho e pela forma com que se reportam à minha poesia. Fico muito lisonjeado pela consideração e pelas palavras de apoio que tanto me estimulam a continuar a escrever mais e mais. Muitíssimo obrigado!
    Continuem a prestigiar meu blog, isso me deixa bastante feliz e de bem com a vida.
    De coração,
    João Ludugero, Poeta
    eterno aprendiz de,
    Felicidades!
    Voltem sempre.

    ResponderExcluir
  19. João poeta,
    O que mais dá medo na vida é não viver as coisas uma a uma, sejam boas ao riso ou tristes ao chorar, mas tudo vale a pena. Tu repassas a nós a ideia que viver é mesmo fascinante, ao perpetuares aqui teu lindo balanço. És um ser humano afortunado, brilhante e que merece todos os louros da glória, da vitória! És um ser vitorioso, mesmo! Tuas palavras dizem isso, todas em todos os sentidos. Parabéns pela sua poesia! Seu admirador número 1.
    Elias Joseph Baptista.

    ResponderExcluir
  20. Tu poeta sabes muito bem dar cores à liberdade, és a própria liberdade. Nada poderá te deter, prender nem algemar - tua alma tem asas inquebrantáveis!
    Teu espaço é firme, teu coração gigante, imenso, livre e solto.
    Gosto demais da tua poesia que balança a vida da gente de um jeito único.
    Tu tens potencial e a felicidade é tua aliada. Tua poesia é TUDO!
    Parabéns! Sou teu admirador e te sigo.
    Vicente Luís Catanhede Lima,
    Escritor.

    ResponderExcluir
  21. Poeta João Ludugero,
    Quando me faltam palavras, ou melhor, quando as tenho mas ainda em silêncio (num canto bem íntimo de mim) um dos lugares que gosto de vir é aqui em seu blog, espaço realmente de poesia. Seus poemas são poemas de viver a palavra nos mais diversos sentidos. independente do juízos que possam fazer, de bons ou ruins, aqui há poemas intensos, não apenas de ofício, mas de vivência plena com a palavra. Aqui a poesia é livre e solta. Tens estilo único! Admiro e respeito bastante a sua escrita. Parabéns mais uma vez pelo lindo espaço. Um grande abraço.
    Miquéas Donato Souza,
    Poeta e estudante de Jornalismo.

    ResponderExcluir